Segurança eletrônica: Guia completo sobre o assunto

segurança eletrônica

Como o próprio nome sugere, segurança eletrônica é toda e qualquer segurança promovida por dispositivos eletrônicos  de segurança.

Em outras palavras, a segurança eletrônica utiliza dispositivos tecnológicos para inibir, desencorajar, monitorar, identificar e detectar ações criminosas sem a participação direta de recursos humanos.

Além disso, o principal objetivo da segurança eletrônica é bem claro: resguardar vidas, bem como patrimônios e bens.

Quais são as principais tecnologias utilizadas na segurança eletrônica?

Provavelmente, você já deve ter visto câmeras de segurança e alarmes instalados em diversos locais, como estabelecimentos e residências.

Mas saiba que existem outros dispositivos bastante utilizados para garantir a segurança, não só de ambientes e patrimônios, como também de pessoas.

Sendo assim, podemos agrupar as principais tecnologias de segurança eletrônica da seguinte forma:

  • Câmeras de segurança
  • Centrais de alarme
  • Sensores de detecção
  • Sistemas de identificação e bloqueio

Agora, saiba mais sobre as características de cada uma dessas tecnologias:

Câmeras de segurança

Sem sombra de dúvida, as câmeras de segurança são umas das tecnologias que mais se destacam atualmente. 

Afinal, o sistema de vigilância com câmeras gera uma maior sensação de segurança, uma vez que a captura de imagens diminui a probabilidade de delitos ao passo que aumenta a possibilidade de identificação de delinquentes.

Mas como as câmeras de segurança funcionam, afinal?

Resumidamente, as câmeras de segurança possuem sensores que captam as imagens e as transmitem para uma central de controle

Para isso, existem os Circuitos Fechados de TV, mais conhecidos como CFTV

O sistema de CFTV consiste na captura e transmissão de imagens fechadas. Ou seja, as imagens são transmitidas apenas para os elementos integrantes do sistema.

Dessa forma, as pessoas alheias ao sistema não conseguem visualizar ou utilizar as imagens para outros fins.

Além disso, o principal objetivo do CFTV é monitorar diversos ambientes ao mesmo tempo, assim como armazenar as imagens geradas.

Centrais de alarme

Basicamente, as centrais de alarme são responsáveis pela conexão com as Centrais de Monitoramento.

Neste caso, a forma como as centrais de alarme funcionam é um pouco mais complexa.

Geralmente, a central de alarme é uma caixa composta por um conjunto de placas e circuitos eletrônicos, que por sua vez, recebem sinais enviados pelos sensores. Dessa forma, se por acaso constar alguma alteração, o sistema emite sinais de alerta.

Tá, mas que sinais de alerta são esses?

Leia também  Ordem de serviço digital: como ter a sua em 30 minutos

Isso depende, afinal os sinais de alerta variam de acordo com o equipamento, e também, com a programação realizada. 

Sendo assim, os principais tipos de sinais de alerta são:

  • Acionamento de sirenes e luzes
  • Envio de mensagens via celular ou telefone
  • Acionamento das centrais de monitoramento

Sensores de detecção

Certamente, os sensores de detecção são peça fundamental para a segurança eletrônica. 

Afinal, eles são compostos por componentes elétricos e eletrônicos, e tem como principais objetivos captar, detectar, processar e transmitir informações para as práticas de segurança eletrônica.

Sabe o que é mais interessante? 

Existem diversos tipos de sensores de detecção. Dentre eles podemos citar:

  • Presença ou intrusão – presença ou passagem de pessoas no ambiente
  • Vibração – verificam vibrações no objeto monitorado
  • Impacto – como colisões e pancadas
  • Temperatura – tanto do objeto quanto do ambiente
  • Abertura – abertura de portas, janelas e afins
  • Sensores que detectam componentes químicos – como gases e fumaças no ambiente

Sistemas de identificação

Você já deve ter visto sistemas de identificação no seu dia a dia. Seja pela identificação facial no celular, ou até mesmo, um leitor de impressão digital, certo?

Pois, é disso que se trata o sistema de identificação.

Através dessa tecnologia é possível identificar pessoas e objetos junto aos sistemas de controles de acesso.

E assim como os sistemas anteriores, existem diversos tipos de sistemas de identificação. Dentre eles podemos citar:

  • Leitores biométricos – identificam impressões digitais, reconhecimento facial e afins 
  • Teclados para digitação de senhas
  • Leitores de cartão – RFID ou código de barras

Sistemas de bloqueio

Por último, mas não menos importante, os sistemas de bloqueio são utilizados para controlar o acesso a áreas comuns. 

Você já deve ter se deparado com algum tipo de pedágio ou portas eletrônicas, correto?

Pois é disso que se trata os sistemas de bloqueio. Eles são grandes responsáveis por bloquear acessos não permitidos, bem como controlar acessos permitidos.

Sendo assim, os exemplos mais comuns de sistemas de bloqueio são:

  • Cancelas
  • Portões
  • Portas
  • Catracas

Equipamento de segurança eletrônica é solução em segurança?

Até aqui, você deve ter percebido que os equipamentos de segurança eletrônica são bastante eficientes para monitorar e proteger locais, patrimônios e pessoas, certo?

Agora me responda: equipamento de segurança eletrônica é solução em segurança?

Pode ter certeza que não é bem assim.

Leia também  Indicadores de manutenção: o que você deve medir

Afinal, os equipamentos de segurança eletrônica são recursos que os profissionais da área de segurança utilizam apenas como ferramentas.

Sendo assim, você também precisa de procedimentos, processos e auditoria. Tudo isso para garantir que esses processos e recursos estão sendo bem utilizados.

Outra coisa muito importante, é que algumas pessoas dedicam esforços para instalar dispositivos de segurança eletrônica.

Porém, elas esquecem que esses recursos são passíveis de falha, logo, precisam ser instalados corretamente, assim como de manutenção preventiva.

Quais são os profissionais da segurança eletrônica?

Conheça os principais profissionais que atuam na área de segurança eletrônica:

Supervisor de monitoramento de Sistema Eletrônico de Segurança: este profissional é responsável pelo controle operacional dos serviços de monitoramento. Além disso, ele é o responsável direto pelos técnicos que trabalham em campo, assim como pelos operadores do sistema de monitoramento.

Técnico de sistema eletrônico de segurança: geralmente, este profissional presta serviços externos, e é encarregado pela inspeção técnica dos sinais emitidos pelos equipamentos de segurança eletrônica.

Operador de sistema eletrônico de segurança: ao contrário do técnico de sistema, este profissional atua internamente, e é responsável pela operação da central de monitoramento de sistemas de segurança eletrônica.

Qual é o melhor sistema de gestão para um negócio de segurança eletrônica?

Você é proprietário ou gerencia um negócio de segurança eletrônica com técnicos que trabalham em campo? Então você precisa de um sistema automatizado para controlar sua operação e aumentar a produtividade.

O Auvo é um sistema de gestão desenvolvido para ajudar prestadores de serviços. Com ele, você consegue ficar 100% de olho em sua equipe de campo. Basta acompanhar o monitoramento em tempo real.

Além disso, você consegue gerar ordens de serviço digitais, criar e aprovar orçamentos, emitir relatórios completos e acompanhar o histórico de cada equipamento por QR Code.

E muito mais!

Assista essa live com o influenciador digital Alexandre, criador do canal Papo Segurança no Youtube, e descubra como o Auvo pode resolver 3 gargalos: Como diminuir a perda de clientes, reduzir custos da operação e ganhar mais dinheiro em sua empresa de segurança eletrônica

Se você ficou interessado em conhecer mais sobre o Auvo, faça um teste grátis ou entre em contato com a gente. Será um prazer conversar com você!

0 Shares:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.