Manutenção Corretiva, tudo que você precisa saber

manutenção corretiva

A manutenção corretiva, como o nome mesmo já diz, preocupa-se em corrigir os problemas em decorrência de queda, quebra ou falha dos equipamentos para garantir uma boa eficiência na prestação de serviços. Porém, nem sempre ela é executada da maneira correta e sem se preocupar com a gestão da manutenção, o que pode colocar a empresa em risco. 

Este é o tipo de manutenção mais cara, que toma mais tempo e traz mais prejuízos para a empresa. Chega a ser no mínimo, 7 vezes mais cara que outros tipos de manutenção, como a manutenção preditiva por exemplo. Mas calma, neste artigo você saberá tudo sobre a manutenção corretiva, além de quando e como você deverá aplicá-la em sua empresa.

O que é?

A manutenção corretiva é o processo de consertar equipamentos que estão quebrados, em caráter emergencial. Muitas vezes é comparada a manutenção preditiva, onde o processo é diferente e visa antecipar os possíveis problemas que poderão acontecer com o determinado equipamento.  Esse tipo de manutenção teve origem logo após a Segunda Guerra Mundial, onde se fazia necessária o reparo e manutenção das máquinas devido ao aumento das indústrias no Brasil e no mundo. Como não havia muita tecnologia, a necessidade de reparos era frequente e a manutenção corretiva era a forma de manutenção mais utilizada naquele momento. 

Este tipo de manutenção ainda é muito utilizado pelas fábricas, principalmente aquelas que não tem ou não fazem a gestão da manutenção dos seus equipamentos. Claro que, eventualmente, ela se faz necessária mas com uma boa gestão na manutenção é possível prever os possíveis danos, falhas e detectar quando o próximo reparo deverá ser realizado. 

A manutenção corretiva também é conhecida como interrupção ou execução para manutenção da falha, pois ela é realizada somente após a constatação do defeito, parada ou falha do equipamento e se essa estratégia for utilizada com frequência, haverá um grande impacto sobre as atividades não planejadas, bem como a dificuldade de reposição de peças ou do equipamento.  

Quais os principais exemplos de manutenção corretiva?

Existem os reparos, os reparos de emergência, as falhas de serviço, atuação e qualidade. Falaremos de todos os tipos a seguir:

  1. Reparo: Pode ser de algum equipamento que esteja danificado ou quebrado, como o conserto de uma peça do sistema de ar condicionado. 
  2. Reparo de emergência: São aqueles que devem ser feitos imediatamente e que geralmente envolvem pessoas, como por exemplo, um elevador que parou e está cheio de pessoas. 
  3. Falhas de serviço: Tem o objetivo de reparar as possíveis falhas que não permitem que o serviço seja executado, como por exemplo restaurar uma plataforma de serviço da equipe externa. 
  4. Atuação: São aqueles reparos que comprometem o bom funcionamento ou desempenho do equipamento. Como por exemplo, um software que está funcionando mas está operando lentamente. 
  5. Qualidade: São os reparos que corrigem a má qualidade. Por exemplo, um barulho no equipamento. 

Tipos de manutenção corretiva

O processo de manutenção corretiva evoluiu bastante. Por isso, selecionamos os tipos de manutenção corretiva mais utilizados para que você entenda quais são e como funcionam:

  1. Manutenção Corretiva Planejada: É realizada quando se detecta problemas de desempenho relacionados ao equipamento. Neste tipo de manutenção é possível prever quando o funcionamento poderá estar comprometido e realizar os possíveis reparos.
  2. Manutenção Corretiva Não Planejada: É quando não se detecta os problemas de desempenho do equipamento previamente e sua falha resulta em parada forçada. Geralmente quando isso ocorre, o funcionamento é interrompido e só é restabelecido após o reparo, o que pode acarretar em alto custos para a empresa. 
  3. Reconstrução: O equipamento deverá ser restaurado para o seu estado operacional inicial;

Para se realizar uma manutenção corretiva é necessário obter informações sobre os danos do equipamento, que geralmente são informados pelo técnico no ato da visita, utilizando um formulário sobre a manutenção corretiva. Com base neste relatório, o responsável pelo departamento de manutenção poderá tomar as medidas corretivas para o determinado equipamento. Os resultados da manutenção corretiva são descritos num relatório contendo informações do serviço prestado e os custos do procedimento. 

Como e quando aplicar a manutenção corretiva

A manutenção corretiva deve ser aplicada em casos onde deve-se fazer o equipamento retomar o funcionamento imediato, para não prejudicar ainda mais a operação. Ela pode ser aplicada em equipamentos cujo o valor de manutenção é menor e mais rápida. Nestes equipamentos, realizar a manutenção preditiva se torna inviável, então salvo neste caso, realizar a manutenção corretiva é melhor.

Selecionamos as principais situações onde você pode aplicar a manutenção corretiva: 

  1. Quando as falhas não causam problemas de segurança no ambiente;
  2. Quando não interrompem o processo produtivo;
  3. Quando não causam problemas relacionados à qualidade;
  4. Quando o custo do reparo é inferior a 10% do valor do equipamento;
  5. Quando existem equipamentos reserva;

A manutenção corretiva deve ser evitada ao máximo, mas pode ser aplicada nessas condições e em equipamentos cujo o funcionamento não atrapalhe o desempenho ou performance da produção. E se mesmo assim, ocorrer em equipamentos que comprometam a produtividade, ela deverá ser realizada imediatamente e a ausência de previsibilidade poderá acarretar em custos muito altos para a empresa. 

Vantagens e desvantagens da manutenção corretiva

Para falar a verdade, a manutenção corretiva não apresenta muitas vantagens. Exceto quando o reparo é de baixo custo, empregar este tipo de manutenção pode acarretar em prejuízos para o seu negócio. 

O alto custo de peças e serviços que devem ser substituídos imediatamente podem comprometer o seu faturamento e forçar uma parada pode alterar radicalmente o desempenho do equipamento e o rendimento da equipe. Além disso, não realizar o reparo imediato pode acarretar no agravamento do defeito, que pode danificar mais peças e outras partes do equipamento. 

Portanto, não indicamos a manutenção corretiva como a forma de manutenção ideal para a sua empresa. Ter em mente que é necessário investir em softwares de gestão capazes de controlar e realizar uma boa gestão da manutenção é fundamental para a sobrevivência de todo negócio. 

Então, como fazer?

Você pode começar não estabelecendo a manutenção corretiva como regra. Como vimos, ela deve ser empregada em raros casos e é importante realizar o acompanhamento dos equipamentos pela gerência de manutenção. Para fazer isso de forma eficiente, é importante utilizar a tecnologia a seu favor!

Existem softwares que são capazes de realizar este trabalho de forma automatizada e eficaz, otimizando os recursos e trazendo resultados mais efetivos para a sua empresa. Os softwares e aplicativos podem ajudar a catalogar, programar procedimentos, analisar custos e tomar decisões em relação a manutenção a ser realizada.

O Auvo é um software para gestão de equipes externas e ele pode te ajudar neste processo. Ao implantar um software de gestão, sua equipe tende a ganhar com mais previsibilidade nas manutenções, reduzindo custos operacionais e otimizando a produtividade da equipe. 

Você ganhará mais confiança com o bom funcionamento dos equipamentos e pode deixar a manutenção corretiva apenas para situações emergenciais em frequências mínimas. Lembre-se, emergências sempre irão acontecer, mas com o uso de um software de gestão elas serão reduzidas drasticamente e a sua empresa tende a ganhar com mais previsibilidade, redução de custos e produtividade. 

Agora que você já sabe tudo sobre manutenção corretiva, fica ainda mais fácil implementar um software de gestão da manutenção no seu negócio. Fale conosco, o Auvo pode te ajudar neste processo! 

6 Shares:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.